Waldir da Rose Surfboards


Foto Jangada - Acervo Pessoal de Betinho Medeiros


Waldir Jesus Pascoalino nasceu em São Paulo em 8 de fevereiro de 1953, mas tornou-se santista já aos seis meses de idade quando mudou-se para a cidade praiana. Foi morando no edifício Bermudas, no Posto 2, que Waldir descobriu-se surfista.


Desde pequeno pegava ondas de peito ou em pranchinhas de madeira. Desenvolveu cedo a vocação para modelar pranchas. Era na veneziana da sacada do apartamento que ele entortava o bico da sua prancha por pura intuição.


A família mudou para o José Menino e lá Waldir encontrou o seu pico de onda preferido, entre a Pedra da Feiticeira e a Ilha Urubuqueçaba. Waldir fez amigos e juntos desafiavam os grandes mares de ressaca, por vezes no curvão do Itararé.


Um deles foi o Ronaldo “Gui” Mesquita. Os dois devoravam as matérias de surfe nos recortes de revistas. Descobriram o madeirite, aprenderam a desenhar e a fabricar a prancha. A evolução veio com uma prancha tipo caixa de fósforo do amigo Gui. A tábua oca com cavernas no seu interior dava flutuação e tinha até nome: Moana. Numa viagem de Gui para o Havaí, Waldir cuidou da Moana e aperfeiçoou o seu surfe.


A partir dali, Waldir se dedicou a produção de pranchas de fibra, que vinham se tornando uma febre e o desejo de consumo de todos os surfistas. Entre tentativas e erros, Waldir competiu com sua prancha apelidada de “salsicha”, devido ao formato com bordas arredondadas, no 2º Campeonato Paulista de Surfe, na Praia das Pitangueiras, no Guarujá, em 1968.


Waldir começou a shapear cada vez melhor e sua fama criou a Rose Surfboards, em 1970, nome dado em homenagem a uma antiga namorada, a Roseli. O sucesso foi tanto que ele se viu obrigado a ceder seu próprio quarto para a fábrica.


Nessa época destacavam-se a Twin, Homero e o Lagartixa na fabricação de pranchas. Na Zona do Agrião, em que Waldir fazia parte, o Edinho criou a Orca Surfboards e inovava na qualidade e acabamento de suas pranchas.


Waldir seguiu adiante. Tampouco a mudança para Mococa na sua formação para o Tiro de Guerra desanimou o shaper. O shaper prestava o serviço militar, enquanto recebia encomendas e entregava pranchas em Santos, nas raras oportunidades de se manter conectado com o mar e com os amigos.


Por Gabriel Pierin


5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

© 2021 by Bugsystem. Federação de Surf do Estado de São Paulo

Menu

Entre em Contato

Rua Maria Paula, 123
andar 11, São Paulo

SP - CEP: 1.319-001
contatospsurf@gmail.com

Fone: (11) 99356-1376

Seg a Sex : 8AM às 18PM
Sáb a Dom: 8AM às 18PM

Horário de Funcionamento

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube