Alan Jhones foi o grande destaque no primeiro dia do BST 2022, em Maresias

Entre os paulistas, Marcos Corrêa, de São Vicente, teve a melhor nota do dia


Alan Jhones, BST Maresias 2022 / Foto Munir El Hage


O Brasil Surf Tour (BST) e a Federação de Surf do Estado de São Paulo (SPSurf) deram "bandeira verde" ao Circuito BST 2022. O dia começou com ondas pequenas e boas, mas logo o vento sudoeste entrou e mexeu o mar nesta primeira etapa, que começou na sexta-feira (5/7), em Maresias, em São Sebastião, e o grande destaque foi o potiguar Alan Jhones, dono da maior nota e do maior score do dia.


Para o embaixador do circuito BST 2022, o campeão mundial de 2015, Adriano de Souza, o circuito está bem organizado. "Estou muito contente com este título de embaixador do BST, ainda mais que vai dar uma premiação igualitária para homens e mulheres. Um evento bem estudado, organizado e realizado por pessoas comprometidas, que escolheram um dos melhores picos de surfe do mundo, que é a praia de Maresias, para este início", disse. Na temporada de 2022, o BST distribuirá o valor de 320 mil reais aos competidores, sendo 80 mil por etapa.


No mar, Alan, mesmo em ondas de meio metro e "força barra" (expressão quando o mar está pequeno), mostrou domínio e técnica ao executar suas manobras com muita pressão para garantir boas notas, um 7.33 e um 8.00, e finalizar com a maior somatória do dia que atingiu 15,33 pontos, numa bateria bem disputada contra os paulistas Alex Ribeiro, Pedro Ferreira e Cauã Carriel.


Entre os atletas de São Paulo, que competem pelo título estadual, o vicentino Marcos Corrêa mostrou o melhor empenho nas ondas de Maresias e foi o dono da segunda melhor nota da competição (7.33).


Outros destaques do dia foram os paulistas Flávio Nakagima, da Praia Grande, com a terceira melhor nota (6.93). Igor Moraes e Pedro Miguel empatados com as notas 6,50, e Fernando Júnior com um 6,33. Todos apresentaram um surfe expressivo nas pequenas ondas de Maresias e fizeram uma boa apresentação neste início do campeonato.


De outros estados, além de Alan Jhones, tiveram destaques o catarinense José Francisco (6,37) e o capixaba Rafael Teixeira (6,17).


Para o Presidente da Federação de Surf do Estado de São Paulo, Zé Paulo, a SPSurf está inovando a cada evento que se envolve. "Esta parceria com o BST vai proporcionar o ranking paulista profissional 2022, após três anos, e vai trazer também o primeiro título profissional para o surfe feminino na história da modalidade", destacou.


O BST terá quatro etapas, duas em São Paulo, Maresias e Ubatuba, e a pontuação obtida por atletas do estado, nessas etapas paulistas, serão utilizadas para definir o Campeão Profissional de Surf de 2022, e também apresentará a primeira mulher campeã paulista da modalidade, um fato histórico. "É um grande incentivo para essa nova geração, para essa mulherada que está vindo, cheia de garra e vontade", comentou Suelen Naraisa, que tentará o título paulista.


Fotos Munir El Hage


20 visualizações0 comentário