Christian Frutig da Surf Champion



Christian Frutig, o Chayne, deu uma imensa contribuição para o surfe e esportes náuticos. Para muitos, a misteriosa trajetória do surfista e shaper é um dos elos para compreender a história do surfe brasileiro.


Foi com o amigo Alex Welter que Chayne começou a pegar ondas de peito nas pranchinhas de madeira. Os aguçados meninos pintaram a madeira de tinta a óleo e improvisaram uma quilha na tábua. Já nos anos 1960, os dois inventaram uma prancha de compensado naval preenchida com blocos de isopor, revestida com fibra de vidro, e acredite, uma quilha de latão.


O surfista paulistano nascido no final da década de 1940, surfou no Guarujá, mas foi na mudança para Dana Point, na Califórnia que aprendeu a arte de expandir poliuretano e shapear pranchas. Na sua volta para o Brasil, serviu à família Pacey e Cunningham, donos da Glaspac, a primeira empresa paulista a produzir pranchas de fibra de vidro em série, dos históricos modelos MK.


Ainda na década de 1960, Mark Lund trouxe uma mini model Superlight da Hansen Surfboards dos Estados Unidos. Foi com essa prancha que Chayne desenvolveu o molde para o modelo MK-3 da Glaspac.


Os dois ficaram amigos e junto com Alex Dumont percorreram o litoral norte paulista nas inesquecíveis surftrips, dormindo apertados no fusca de Chayne.


No surfe competitivo, Chayne também fez história. Ele foi um dos vencedores do 3º Campeonato Paulista de Surf, disputado na Praia das Pitangueiras, no Guarujá, pela categoria sênior. No dia da final, o surfista tomou uma pranchada nas costelas e não estava em condições de competir. O concorrente direto, Luiz Carlos Frigerio, mesmo incentivado a entrar na água e garantir o título isolado, não se aproveitou da vantagem e ambos foram declarados campeões.


O shaper saiu da Glaspac nos anos 1970 para construir sua própria marca, a Surf Champion, em Parelheiros, na avenida Santo Amaro. Visionário, diferenciou-se da produção “pop-out” – placas de fibra de vidro moldadas - da Glaspac, e passou a expandir o poliuretano em blocos para depois shapear no formato das pranchinhas modernas.


A vida empresarial de Chayne encontrou com Manfred von Schaffhausen. Os dois fundaram a Coast Catamaran em sociedade e juntos importaram o primeiro Hobbie Cat 14, depois produzido no Brasil. Ele também foi pioneiro nas pranchas Windgliders, para Windsurf.


Porém a marca Surf Champion, do sol na logomarca, ainda ilumina a memória dos surfistas e aquece o coração daqueles que conheceram o brilhante shaper.


Por Gabriel Pierin

@gabriel_pierin

2 visualizações0 comentário